1st Théo Brandão Festival of Ethnographic Film and Photography - Indigenous Peoples

(foto: Maracás Xucurú-Kariri, autoria: Celso Brandão)


Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore, 13, 14 e 15 de abril/2011 - Maceió-Alagoas/BRASIL

The 1st Théo Brandão Festival of Ethnographic Film and Photography is designed for productions based on ethnographic research or having characteristics of ethnographic descriptions. This festival honors Théo Brandão, who was an anthropologist and folklorist that always valued ethnic and cultural expressions. It is a realization of partnership between Théo Brandão Museum of Anthropology and Folklore/MTB and the laboratory on Visual Anthropology in Alagoas/AVAL, both from the Universidade Federal de Alagoas, Brazil.



O 1º Festival Théo Brandão de Fotografias e Filmes Etnográficos é voltado para produções situadas em contextos de pesquisas etnográficas, bem como produções de registros imagísticos e audiovisuais (fotográficos e fílmicos), reconhecendo o valor que o antropólogo e folclorista Théo Brandão sempre deu às manifestações étnicas e culturais. É uma realização de parceria entre o Museu Théo Brandão de Antropologia e Folclore-MTB e o laboratório Antropologia Visual em Alagoas-AVAL, ambos vinculados à Universidade Federal de Alagoas.

sábado, 16 de abril de 2011


Maracá Xucuru-Kariri

RESULTADO DA PREMIAÇÃO DO I FESTIVAL THÉO BRANDÃO DE FOTOGRAFIAS E FILMES ETNOGRÁFICOS

FILMES ETNOGRÁFICOS PREMIADOS:


Comissão Julgadora:                                    Data do Resultado: 15/04/2011

Rachel Rocha de Almeida Barros –UFAL - coordenadora 
Fernanda Aguiar Carneiro Martins – UFRB
Maria Gabriela Ferreira Fulni-ô
Siloé Soares de Amorim - UFPB
Renato Athias – UFPE

Categorias Premiadas

Menção Honrosa Théo Brandão        
Filme: Acontecências (23’ 04’’)
Direção: Alice Vilela e Hidalgo Romeiro

Melhor Produção Acadêmica Fílmica AVAL
Filme: Para outra geração (19’ 27’’)
Direção: Ana Laura Loureiro                 

Melhor Filme Indígena
Filme: GuerreirosTingüi-Botó (19’ 25’’)
Direção: Povo indígena Tingüi Botó

Melhor Filme Etnográfico
Filme: Os Seres da Mata e Sua Vida como Pessoas (29’)
Direção: Rafael Devos

Melhor Documentário
Filme: Figueira do Inferno (25’)
Direção: Raoni Valle e Ernesto Teodósio

Melhor Direção
Filme: La Lucha Decisiva. Raposa Serra do Sol
Direção: Daniel Garibotti y Marta Caravantes (Cipó)

Melhor Edição
Filme: Perseguições e Resistência (21’)
Direção: Coletivo

Melhor Fotografia
Filme: Sin Tierra no Somos Shuar (23’)
Direção: Stacey Williams

Melhor Áudio
Filme: Pamoari na Cidade (15’ 30’’)
Direção: Eugenio Paomari e Sérgio Lobato

terça-feira, 12 de abril de 2011

Programação do 1. Festival Théo Brandão de Fotografias e Filmes Etnográficos



1º Festival Théo Brandão de Fotografias e Filmes Etnográficos
        Dias             

Horário de
Exibição

14 de abril
(5ª feira)
                Dias

Horário de
Exibição

15 de abril
(6ª-feira)
PROGRAMAÇÃO DA MANHÃ
9:00h
Ponta-de-Rama (18'),/2007
Direção Julianna Barretto
[mostra não-competitiva]
9:00h
Direção:  Coraci Ruiz
9:25h
9:20h
Direção: Eugênio Paumari e Sérgio Lobato
9:50h
Direção: Amazonir Fulni-ô
[mostra não-competitiva]
9:40h
São Paulo: A Terceira Margem Pankararu (24)' / 2010
Direção: Marcos Alexandre dos Santos Albuquerque

10:15h
Direção: Daniel Garibotti y Marta Caravantes (Cipó)

10:05h
Direcão: Stacey Williams
19:40h
Direção: Coletivo
10:30h
Direção: Alson et al.
11:00h
Oi, que Prazer, que Alegria , Kapinawá.(30')  /  2006
Direção: Marcos Alexandre dos Santos Albuquerque
[mostra não-competitiva.]
11:00h
Direção: Katia Mesel
11:35h
Direção: Coletivo
11:10h
Direção: Gabriel O. Alvarez
INTERVALO PARA O ALMOÇO
PROGRAMAÇÃO DA TARDE
14:00 h
Direção: Telephone Colorido
14:00h
Direção: Rafael Devos
14:20 h
Direção: Povo Indígena Tingüi-Botó
14:30h
 ACONTECÊNCIAS (23’04") /   2009               
Direção: Alice Villela e Hidalgo Romero
14:40 h
Direção: Sebastian Gerlic
14:55h
 Interseções (14')  / 2007
Direção: Marcos Alexandre dos Santos Albuquerque
[mostra não competitiva]

15:10h
Direção: Rafael Devos
15:10h
 Figueira do Inferno (25') /2004
Direção: Raoni Valle e Ernesto Teodósio
15:45h
Para Outra Geração (19''27") / 2010
Direção:  Ana Laura Loureiro
15:35h
Direção: Silvia A. C. Martins
[mostra não competitiva]

16:15h
Roda Grande Passando pela Pequena (25') / 2010
Direcão: : Telephone Colorido
[mostra não competitiva]

16:00h

Direção: Raoni Valle e OPIM
16:45h
As Corridas do Imbu Karuazu (29') / 2010
Direção: Juliana Barretto
16:15h
Direção: Silvia A. C. Martins
[mostra não-competitiva]
17:15h
Assumindo minha responsabilidade (23’:50”) /2004
Direção: Ricardo Dantas B. Salomão
[mostra não competitiva]

16:40h

Direção: Rachel Rocha e Mércia Batista
[mostra não competitiva]

17:40h
Meu Atikum (9’:50”)
Direção: Marcos Alexandre dos Santos Albuquerque
[mostra não competitiva]

16:55h
Ornitológicas (21’)
Direção: Celso Brandão
[mostra não competitiva]



17:20h
D. Iracema, Fragmento da Performance do Ressurgimento Koiupanká (1’:39”)
Direção: Siloé Amorim
[mostra não competitiva]



17:30h
Mostra em Multimídia dos Ensaios Fotográficos inscritos no I Festival Théo Brandão de Fotografia e Filmes Etnográficos




sábado, 2 de abril de 2011

ENSAIO: Jóvens Tingüi-Botó







Ana Laura Loureiro/ AVAL
Ano e local da realização: 2009, AI Tingúi-Botó, Feira Grande- AL
Formato Original: (x) digital
Resumo do Ensaio:
Jovens indígenas Tingüi-Botó se pintam e através do registro de imagens em câmera digital realizam toda uma performance quando afirmam características de cultura indígena em que estão inseridos. O registro visual funciona como mecanismo de afirmação e fortalecimento da identidade Tingüi-Botó que possuem.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

ENSAIO: De objeto a sujeito







Andrea Eichenberger <andreaeich@gmail.com>
Ano e local da realização: 2006/2007 Biguaçu-SC
Formato Original: (x) digital
Resumo do Ensaio:
Os últimos 15 anos em Yynn Moroti Wherá estão marcados por um
importante movimento de “revitalização da cultura”. Este processo
vem contribuindo para a reinvenção criativa de vários aspectos
culturais deste grupo e tem se mostrado fundamental na afirmação
da identidade Guarani, tanto no contexto da própria etnia quanto com relação à sociedade envolvente. É por meio dele que essas pessoas vêm compreendendo sua história, seu papel na sociedade
contemporânea e afirmando sua condição de indígenas.
Este processo vem sendo documentado de diversas formas pelos
proprios Guarani, que tem se apropriado de elementos como a
fotografia, o video, a informatica, etc.Esta documentação mostra-se
como uma forma de contestação à historia que até então vinha sendo
construida à partir de olhares externos. Durante os anos de 2006 e
2007 convivi com esta comunidade ocupando um cargo de professora
na escola da aldeia. Durante este período, fui orientada à fotografar as atividades de revitalização sob os olhos criticos dos Guarani. 

ENSAIO: Índios Citadinos do Xingú







Andre Michiles <andre.michiles@gmail.com>
Ano e local da realização: Altamira e Volta Grande do Xingu 2009
Formato Original: (3 fotos) digital (3 fotos) analógico
Resumo do Ensaio:
O ensaio mostra a vida dos indios citadinos. Suas etnias variam de
Xipaya, Kuruaya, Juruna à Arara.
Por muito tempo esses indios não foram considerados indígenas, mas
um estudo recente da FUNAI vêm transformando esse ponto de vista.
Muitos pessoas acreditavam que tais indios não possuiam mais sua
cultura e nem falavam suas línguas, esquecidos e muitas vezes sem
acesso a serviços destinados aos indigenas. Mas hoje, vivem um
processo de reconhecimento da FUNAI e conquista de seus direitos
como indigenas. Sua cultura, embora tenha se misturado, ainda é
presente nos seus hábitos alimentares, na forma como constroem
suas casas e sua hierarquia familiar, muitos deles ainda falam sua
própria lingua e contam histórias incríveis sobre os motivos que os levaram a abandonar suas aldeias.